Hoy se ha levantado el día oliendo a miedo…

Hoy se ha levantado el día oliendo a miedo,

y toda la semana.

 

Somos más de dos, contando la sospecha,

y me sobran monstruos debajo de la cama.

 

Hace un día malo y solo.

Tras la ventana llueven silencios

y se cuelan inseguridades heladas

por las rendijas de tus sábanas.

 

El dilema de mis brazos es que no saben,

protegerme entre nosotros y este tiempo,

y nuestros besos son escalofríos, falsos retos,

ascuas mal apagadas de goces de otros, pasados.

 

Yo soy así, ¡rápido me vence el desamor!,

tanto que no llego a sufrir ni las derrotas,

“mind the gap” y a seguir amando.

Tiramos nuestro amor al cubo…

Lo bueno de los blogs personales, es que puedes escribir lo que te da la gana en ellos.

Y aunque mi enfoque fundamental es el emprendimiento y la tecnología, la verdad es que, como todos, tengo algunas aristas más y una que anda sepultada entre mi maremagnum diario de retrasos y obligaciones, es la de escribir poesía.

No aspiro ni siquiera a publicar algún día mi primer cuadernillo, “Poeta bajo tierra“, pero ya que tengo blog, qué diablos, os vais a tragar algunas de mis poesías, sin orden ni concierto. Algunas son viejas amigas de añares, otras son más recientes.

Iré publicando de vez en cuando las que me den más rabia, bajo la categoría Poeta bajo tierra.

Para los más tecnólogos, mis disculpas por adelantado. ;).

XII

Tiramos nuestro amor al cubo

donde guardamos los rencores y la mierda.

Perdimos hasta el encanto del beso

atragantado en cada mentira suave.

 

Olvidamos por qué jugamos

a estar atados a un mismo sueño,

y aunque yo me resigné, tu esclavo,

tú te aferraste a la libertad del deseo.

 

Echados entre nosotros y mis brazos,

nos leímos las manos con la memoria

y juramos preservar de todos este cariño

de tantas noches, tanteando promesas.

 

Me obligué a apostar en otros labios

todo lo que defendimos a muerte,

y por salvarte de mis miedos,

mandaste al infierno mi recuerdo.

 

Si ahora que he cumplido cada paso,

te niegas a darme lo que es nuestro,

quédate sola en estas sombras,

que yo saciaré en otras fuentes

mi hambre atroz de tus caricias.

A morte devagar

Una lectura interesante, una poesía de Martha Medeiros que puede ayudar a la reflexión veraniega. “Ya que no podemos evitar un final repentino, al menos evitemos una muerte en suaves prestaciones, recordando siempre que estar vivo exige un esfuerzo mucho mayor que, simplemente, respirar”:

A Morte Devagar

Morre lentamente quem não troca de idéias, não troca de discurso, evita as próprias contradições.

Morre lentamente quem vira escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajeto e as mesmas compras no supermercado. Quem não troca de marca, não arrisca vestir uma cor nova, não dá papo para quem não conhece.

Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o preto no branco e os pingos nos is a um turbilhão de emoções indomáveis, justamente as que resgatam brilho nos olhos, sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos.

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho, quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente quem não viaja quem não lê quem não ouve música, quem não acha graça de si mesmo.

Morre lentamente quem destrói seu amor-próprio. Pode ser depressão, que é doença séria e requer ajuda profissional. Então fenece a cada dia quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente quem não trabalha e quem não estuda, e na maioria das vezes isso não é opção e, sim, destino: então um governo omisso pode matar lentamente uma boa parcela da população.

Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projeto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.

Morre muita gente lentamente, e esta é a morte mais ingrata e traiçoeira, pois quando ela se aproxima de verdade, aí já estamos muito destreinados para percorrer o pouco tempo restante.

Que amanhã, portanto, demore muito para ser o nosso dia. Já que não podemos evitar um final repentino, que ao menos evitemos a morte em suaves prestações, lembrando sempre que estar vivo exige um esforço bem maior do que simplesmente respirar.